07 janeiro 2006

lê o que 'tá lá escrito...


Quase todos os dias assisto a cenas que me deixam indignado, pelo que carregam de intolerância e falta de civismo e de espírito solidário entre pessoas humanas (que o deviam ser e que advogam sê-lo...) Isto para não lhe chamar, simplesmente, 'estupidez', que é uma palavra que detesto e que, em alternativa, substituo por irracionalidade e falta de amor ao próximo. E, porque não, falta de um bocadinho de amor-próprio?
E o que talvez ainda me incomoda mais é que na maioria dos casos, estes resultam de simples falta de bom senso de um, de outro ou de todos os intervenientes.


Vem isto a propósito de uma cena a que assisti ontem, por volta da hora de almoço, quando esperava uma camioneta para a estação de Oeiras na paragem junto ao Pingo Doce de Sassoeiros, a qual se situa ao lado dos semáforos no entroncamento da Av. da República com a Av. D. José I.

Quando cheguei à paragem cerca das 13:20 já lá estavam duas senhoras, sentadas no banco do abrigo. Eu fiquei de pé um pouco afastado, porque a camioneta ali, devido ao semáforo, pára sempre um pouco mais atrás. No entretanto chegou um outro senhor que ficou também de pé, ligeiramente recuado em relação a mim.

Passados seriam alguns minutos eis que surge uma camioneta, que encosta à berma, se imobiliza e abre a porta. Não me mexi pois, apesar das minhas limitações visuais, eu tinha conseguido ler a bandeira e percebido que era a camioneta destinada à Parede e que, assim sendo, não me servia.
Uma das senhoras levantou-se, avançou e entrou na camioneta.
A outra senhora, mais jovem, avançou também mas imobilizou-se à porta sem entrar e dirigiu-se ao motorista questionando-o sobre o destino da camioneta. Eu estava bastante perto e ouvi o diálogo.
A resposta do motorista, apontando para cima, foi e pasme-se: "LÊ O QUE 'TÁ LÁ ESCRITO!"...

Exactamente, isso mesmo. Assim. Como se estivesse a admoestar um miúdo calão e traquina. Aquele senhor motorista supõe certamente que toda a gente sabe ler, que o consegue fazer quando a camioneta se vem a aproximar, que a bandeira e o texto são bastante legíveis, que não existem pessoas com dificuldades visuais, ou até que possam estar distraídas, etc. etc. etc.
Aquele senhor motorista deu a resposta ERRADA...

Não faço a mais pequena ideia se aquela reacção e forma de tratamento do senhor motorista se deveu ao facto da senhora ser preta. Não o julgo, porque também ele, senhor motorista, o era. Também não me pareceu que fosse por se conhecerem. Ela não deu qualquer sinal nesse sentido e mostrou-se indignada. Seja como for, este caminho 'étnico' não conduz a nada, não vou por ele e repudio-o. Na verdade, e isto é que é importante, é que nada justifica que o senhor motorista tratasse uma passageira (uma CLIENTE...) daquela forma!!


Quero ainda deixar aqui expresso que utilizo os serviços da Stagecoach há cerca de 10 anos, quase diariamente. Assim, são muitos os motoristas que conheço, pelo menos de vista, mesmo não sabendo os seus nomes. Da maioria deles tenho a melhor impressão. São de um modo geral pessoas tolerantes, compreensivas e competentes. Este post não tem qualquer intenção de os agredir. Mas como diz o povo:
"No melhor pano cai a nódoa".


foto: © josé antónio, 2006

2 comentários:

Zica Cabral disse...

pois infelizmente os motoristas de autocarronão têm qualquer formação para lidar com o publico. Basta que tenham carta de pesados e que façam um treinozito a guiar e mais nada. Infelizmente presenciei muitas cenas destas em Lisboa com os autocarros da Carris. Se a maioria dos motoristas é simpatica e bem educada alguns não o são . Uma vez, entrei no autocarro e não tinha dinheiro trocado. O motorista vira-se para mim e, alto e bom som, no tom mais malcriado possivel poerguntou-me se eu achava que ele tinha cara do Banco de Portugal , para ter sempre trocos `mão. Nem lhe respondi. Pus a nota ao pé do volante e fiquei à espera.
Como não teve a menor reacção da minha parte e alguns passageiros refilaram com ele por ser malcriado, lá me deu o troco e pos-se em marcha.............
Como este apanhei outros no género e piores.
beijinhos
Zica

José António disse...

Olá Zica !

Obrigado pelo comentário.

De facto a formação humana e cívica é muito deficiente em Portugal. Reflexo do ensino... ?
Sou de um tempo em que as pessoas, genericamente, tinham muito mais boa-educação (apesar de a terem à custa de repressão... :( ).
As empresas e instituições que têm funcionários que contactam com o público-cidadão-cliente-contribuinte-etc. deveriam ter mais atenção a este aspecto.

Mas é o país que temos... :.(

bjs,